Best of the Week: Brazilians and hacked savings, Bitcoin and Pix price records integrated to cryptomoedas

The best of the Bitcoin and Cryptomoedas markets in Brazil and the world.

The week was great news for the cryptomoedas markets in Brazil and the world. The announcement that PayPal will integrate cryptomoks into its merchant network was the push that was enough for Bitcoin to reach its highest global price in 52 weeks: $13,200.

The Bitcoin rally pulled the entire crypto market higher, leading the second largest currency, Ether, back to the $400 range, as well as establishing new supports for major currencies such as Bitcoin Cash, Chainlink and Litecoin.

PayPal’s entry into the crypto market is expected to attract other major players, as 2020 has become the year of the largest institutional adoption of cryptomotes.

BTC’s appreciation has also brought unusual comparisons. An Iphone 4 bought in 2010, which at the time cost about R$ 1,800, was worth about 18,000 Bitcoins. If the value had been invested in cryptomoeda, the trader would have been the happy owner of R$ 1.6 billion.

The high also impacted the domestic cryptomoeda markets. This week, seven countries wrote down historical highs for Bitcoin: Turkey, Argentina, Sudan, Angola, Venezuela, Zambia and Brazil.

In the Brazilian market, with the galloping devaluation of the Real and inflation in sight, the Bitcoin passed the old record of R$ 70,000 and only stopped when it reached R$ 73,500. This Friday, the largest cryptomoeda faces a small correction and is being traded in the R$ 72,800 range.

If the Brazilian news is good inside the Crypto Method market, in the real economy of the population the real is already starting to show a problem. Inflation in the country, which has the most devalued currency in the world in 2020, has increased the most since 1995, when the real had parity with the dollar.

Brazilians‘ ‚hacked‘ savings

The most read news from Cointelegraph Brasil this week is not exactly about a 2020 fact, but it keeps parallel with the economic reality that the country is going through this year.

On March 16, 1990, under Fernando Collor’s administration, Brazilians woke up with all their savings „hacked“ by the government itself: the equivalent of R$100 billion was confiscated from the accounts of the country’s citizens – it was the Collor Plan, which adopted desperate measures to contain the economic disaster inherited from the military dictatorship.

As history told in the following years, Brazil’s economic stabilization would not come from Collor – who would resign two years later – or from his minister, Zélia Cardozo de Mello. The Brazilian economy was balanced by the hands of its substitute in office, Itamar Franco, and its minister, Fernando Henrique Cardozo, with the launch of the Real Plan.

Taking a leap in time this week, the Minister of Economy of the Bolsonaro government, Paulo Guedes, announced that he intends to launch an IPO of the digital bank created by Caixa Econômica to bring emergency aid to the population during the pandemic.

With inflation back in Brazilians‘ lives and the real at its worst, Brazilians at least this time have the crypto market to turn to – without risks of government interference.

Cryptomaniac investors will also be connected to Pix, the Central Bank’s new transaction system, which goes live on 16 November.

In addition to instant withdrawals and deposits at exchanges, traders will be directly connected to Pix through Z.Ro Bank and Atar, which have been approved by the Central Bank to integrate the system.

In other news about fintechs and the digital financial revolution, the Central Bank has established that payment card companies, including Bitcoin cards and other cryptomaps, must be regulated by the entity.

In addition, a Brazilian DeFi platform was selected in a Silicon Valley acceleration program in San Francisco (USA) and OriginalMy received a startups award in the Arab Emirates.

As it is not all good news, an analyst recommended investors to „run away“ from investments in Banco Inter.

As razões por trás do mergulho de Sub-$10K

  • Bitcoin caiu abaixo de US$ 10.000 pela primeira vez desde o final de julho em 5 de setembro
  • Três razões-chave para o mergulho de 5 de setembro incluem: as baleias que lucram, a pressão de venda derivada do mineiro e o mercado de ursos ETH

Em 5 de setembro, o preço do Bitcoin BTC, -1,08% caiu abaixo da linha de $10.000 pela primeira vez depois de subir acima de $10.000 em 27 de julho. Embora o preço do Bitcoin Evolution tenha se recuperado rapidamente, outras grandes moedas criptográficas, incluindo o Ethereum ETH, -2,20%, também caíram em quase 10%. Neste artigo, apresentamos três fatores que poderiam ter desempenhado um papel fundamental na recente queda de preços.

As baleias estão tendo lucro

Dados da popular plataforma de futuros Bitcoin BitMEX mostram que a queda repentina de 5% da BTC causou apenas 40 milhões de dólares em liquidações. Como estamos acostumados a um volume muito maior de posições liquidadas durante as rápidas mudanças do mercado, podemos assumir que a pressão de venda derivada do mercado à vista.

Embora seja possível que muitos investidores de varejo tenham começado a vender seus BTC simultaneamente, um cenário mais provável é que as baleias tenham começado a descontar em suas participações no BTC. Os dados mostram que as baleias Bitcoin têm vendido BTC desde que o preço atingiu US$ 12.000.

Além disso, US$ 10.500 serviram como um importante nível de resistência por vários anos e é provável que as baleias BTC tenham despejado suas moedas a esse preço. A pressão de venda então fez o preço do BTC baixar para $9.975.

Os mineiros provavelmente amplificaram a pressão de venda

Todos sabemos que os mineiros precisam vender regularmente a BTC minerada para manter suas plataformas de mineração funcionando. Entretanto, os grandes mineiros com uma reserva financeira maior têm a capacidade de especular sobre o preço BTC e acumular moedas quando o preço é baixo e vender quando o preço é alto para aumentar os lucros.

Desde meados de agosto, os mineiros vêm aumentando a quantidade de BTC que eles canalizam para as trocas. A CryptoQuant, empresa de análise de dados na cadeia, declarou que os mineiros e os pools de mineração podem ter acumulado uma pressão de venda significativa sobre a Bitcoin. Ki Young-Ju, o CEO da CryptoQuant, disse:

„Os mineiros enviam uma certa quantidade de BTC para as trocas periodicamente, de modo que eles já têm uma grande quantidade de BTC na troca. Sempre que decidem vender, parece que movimentam uma quantidade relativamente significativa de BTCs para outras carteiras, e alguns deles vão para as trocas“.

Embora os principais grupos mineiros tenham criticado os dados da CryptoQuant, dizendo que é quase impossível rastrear com precisão os fluxos de saída dos mineiros, as liquidações dos BTCs minerados provavelmente contribuíram com uma parte significativa para a queda de preços.

O USD fortalece e o ETH enfraquece

Após quatro meses de uma tendência negativa, o dólar americano finalmente começou a mostrar sinais de recuperação. Como o preço do Bitcoin (e de outros ativos, como ouro e petróleo) é normalmente denominado em dólar americano, o aumento do valor do dólar acrescentou combustível ao impulso de enfraquecimento do BTC.

Como as mudanças no preço de uma grande moeda criptográfica muitas vezes afetam todo o mercado, a queda acentuada no preço do ETH pode ser outro fator que causou ou talvez apenas amplificou a queda do BTC.

Durante três dias, o Ether caiu de quase US$ 480 para menos de US$ 330 em 5 de setembro. O comerciante de criptografia e analista técnico „Byzantine General“ acredita que a ETH está caminhando para $290 ou ainda mais baixo:

Será que o Bitcoin poderia saltar?

A Bitcoin rapidamente se recuperou ao preço acima de $10.000, mas desde 5 de setembro, o primeiro criptograma do mundo tem sido negociado principalmente de lado, na faixa de $10.100 a $10.200. Michael van de Poppe, um comerciante da Bolsa de Valores de Amsterdã, acreditava que o BTC poderia saltar mais alto. Ele disse:

„Finalmente, a liquidez no nível mais baixo. A recuperação de $10.000 significaria uma reviravolta no S/R e uma chance muito provável de que buscaremos liquidez acima dos máximos da faixa. Isso nos serviria para um salto de US$ 10.750 a US$ 10.900 e a maioria dos mercados saltaria de 25 a 40%“.